Liga de Heróis Juventude Brasileira – 2ª Temporada (Episódios 13 e 14)

Conto escrito por André Garcia

amdreh@gmail.com

EPISÓDIO 13

O COMEÇO

Os Alienígenas

O centro da arena foi reduzido a pilhas aleatórias de concreto, terra e ferro retorcido, onde se escondem os heróis espalhados.

— Pô, desculpa aí, galera. — Diz o alienígena baixinho.

— É. — Continua o mais alto. — Esquecemos de avisar que, em nosso planeta, sempre começamos as lutas com um raio de energia. — Ele se vira para o baixinho. — Tá com sua pistola paralisadora aí?

— Tô, sim.

— Então, vamos lá. — Diz o mais alto, também empunhando a sua.


Capitão Marôla

Capitão Marôla se levanta, olha para o lado e vê TNT também se levantando.

— Está tudo bem? — Pergunta ele o herói.

TNT responde irritado:

— Bem? Bem por quê? Estou aqui com um monte de palhaço lutando contra dois alienígenas que querem destruir o planeta, duas da tarde de baixo de sol quente, olhando pra tua cara, quase me acertam um raio na cabeça e você me pergunta se eu estou bem? Você está de sacanagem com a minha cara?

— Não, espera, eu só… — Diz Capitão Marôla, tentando resolver o mal entendido.

— E cala a boca, cara. Você acha que está falando com quem? Vem cá me encarar, então. — TNT começa a andar na direção do Capitão Marôla, que recua.

— Você não está entendendo, eu só…

— Vem cá, não corre que é pior!

Um dos alienígenas dispara com sua pistola paralisadora e o tiro passa entre Capitão Marôla e TNT, irritando ainda mais o vilão:

— Vocês estão ficando malucos? Atirar em mim? Vocês estão atirando em mim? Vem cá, atira em mim pela frente. Eu vou pegar vocês…

Capitão Marôla percebe o momento de distração que TNT, querendo ou não, criou e tem uma ideia. O vilão agarra o alienígena baixinho pela cabeça e o atira contra o chão, mas fica na mira do mais alto.

— Aí grandalhão, você está na minha mira! Não adianta se mexer, você já era! Eu vou…

De repente, o Capitão Marôla agarra o alienígena por atrás e diz:

— TNT! Pega ele, bate nele com toda a sua força!

— Com todo o prazer! — Responde TNT, que sai correndo como uma locomotiva descarrilada. Quando chega perto dele, TNT estica seu braço direito para trás e, então, arremessa-o para frente com toda a sua força, dando o soco mais forte que ele é capaz de dar. O alienígena chega sua cabeça para o lado e o soco acerta em cheio no rosto do Capitão Marôla, que é arremessado para trás num voo de alguns metros e desmaia antes mesmo de tocar o chão.


TNT

Após acertar o Capitão Marôla, TNT corre enfurecido até o herói caído:

— Animal! Eu vou dar um soco e você bota a cara na reta? Você é maluco? Agora fica aí no chão, palhaço! Foi até bom, mesmo. Gente que nem você tem mais é que tomar no…

Nesse momento TNT é atingido pelo alienígena mais alto e cai paralisado no chão.


Ego Man

Quando o alienígena mais alto atinge TNT, Rai Lander tem uma ideia que considera brilhante: fazer a mesma coisa que Capitão Marôla. Aproveitando um momento de distração do alienígena o herói o agarra por trás novamente:

— Porra! Aqui na Terra vocês só sabem lutar agarrando os outros? Parecem umas bichas!

Rai Lander vê Ego Man e grita para ele enquanto o alienígena se debate:

— Ego Man! Gnnn… Pega a pistola do alienígena que está caído e atira nele.

— Uau! Boa ideia, cara! Pode mesmo funcionar! Por que uma vez eu estava em casa, aí eu liguei a televisão e…

— Anda logo!

— Ok…

Ego Man começa a correr, mas, alguns passos depois, ele para e olha para trás:

— Espera um pouquinho, minha carteira caiu.

— Anda logo! Gnnn…

— Ué, tá me dando ordem agora? É isso mesmo? — Pergunta Ego Man enquanto volta e pega sua carteira

— Gnnn… Não vou conseguir segurar esse cara por muito tempo.

— Para de encher meu saco, cara! — Ego Man pega a pistola no chão. — Um dos alienígenas está caído e o outro você está segurando e já peguei a pistola. Viu só? Tranquilo… O que poderia dar errado? Pra que esse desespero todo?

— Cuidado! — Grita Rai Lander.

— Viaja não, cara! Eu…

Ego Man é golpeado pelas costas pelo alienígena baixinho, que já havia se levantado, e cai desacordado largando a pistola.


Rai Lander

— Eaí, terráqueo. — Pergunta o baixinho próximo o bastante do Rai Lander para o atingir, mesmo com o outro alienígena na frente. — Deseja dizer sua última frase?

— Sim. Anos atrás eu era um jovem nervoso e fingia ser um anuncio.

— O quê?!

— Do alto na beira da rua me apaixonei por uma bela estrada.

— Do que você tá falando?

— Isso acontece com todo mundo.

— O que? Fingir ser um anuncio e se apaixonar por uma estrada?

— Sim. Não acontece no seu planeta, não?

— Lógico que não!

— Atira nele logo! — Grita o alienígena mais alto.

O baixinho obedece e Rai Lander cai paralisado no chão.

EPISÓDIO 14

A CONTINUAÇÃO

Frio

Em algum lugar da arena, atrás de um grande bloco de concreto, se escondem Kid Malvadeza, Sacanageiro e Frio.

— Bom, o que vamos fazer? — Pergunta Kid Malvadeza.

— Eu tenho uma ideia. O Frio sai correndo para a direita e a gente para a esquerda.

— Aham… Tá escrito “babaca” na minha testa, por acaso? — Pergunta o Herói.

— Qual o problema com a minha ideia?

— Eu sei que na hora você iria ficar aqui, eu sairia correndo sozinho e tomaria na bunda.

— Não confia em mim?

— Não.

— Você é um herói só. Nós somos dois vilões. Você não tá em posição de escolher.

— E daí? Você vai fazer o que? Me bater?

— Calma pessoal… — Interrompe Kid Malvadeza. — Acho que a gente poderia…

— Cuidado! — Grita Sacanageiro. — Eles jogaram uma granada aqui! Corre! Corre!

Frio corre desesperadamente para se salvar e só quando ouve a gargalhada do Sacanageiro percebe que foi enganado. O herói, exposto no meio da arena, desprotegido e na mira dos alienígenas, só tem tempo de dizer uma coisa antes de ser paralisado:

— Filho da puta!


Kid Malvadeza

Quando Sacanageiro grita sobre a granada, Kid Malvadeza por pouco não saiu correndo junto com o Frio. Ele só não o fez porque, pelo que conhece do seu colega, sabe que se houvesse uma granada ele seria o primeiro a fugir ao invés de avisar.

— Como vamos sair daqui agora? Você tem um plano, Sacanageiro?

— Tenho. Praticamente infalível.

— Estou incluído nele, né?

— Claro, você é indispensável para o plano!

— Que bom por… — Antes que ele terminasse de falar, Sacanageiro o atinge com um golpe.


Sacanageiro

Kid Malvadeza cai desmaiado e Sacanageiro sai de trás do muro com as mãos para o alto, dizendo:

— Ei, vocês, não atirem. Eu estou do seu lado, me livrei daqueles dois como prova disso. Não me importo de vocês destruírem esse planeta, ele não serve para nada, mesmo.

Os dois alienígenas olham um para o outro, confusos. O mais alto pergunta:

— O que você quer?

— Que me levem com vocês. Vocês são seres muito mais desenvolvidos, inteligentes e eu não quero mais ficar nesse planeta.

Os dois alienígenas voltam a se olhar.

— E aí, vamos levar? — Pergunta o baixinho.

— É… Ah, Vamos… A gente faz uma casinha pra ele no quintal. — Ele se vira para Sacanageiro. — Pode entrar na nave.

— Valeu!

— Aliás, como você se chama?

— Sacanageiro.

— O que significa isso?

— Significa pessoa honesta. — Responde ele caminhando em direção à nave.


Thunderbolt

Thunderbolt está sozinho escondido atrás de um outro bloco de concreto. Com a ausência de Voador e Gato Preto e a derrota da maior parte de seus colegas, ele se vê como a última esperança da humanidade.

— É isso aí. — Diz ele baixinho para si mesmo. — Agora é tudo ou nada Errar não é uma possibilidade.

Thunderbolt fecha os olhos e se lembra do seu incansável treino nas últimas semanas, cada tentativa, cada erro e cada coisa que aprendeu. Tinha certeza absoluta de que dessa vez iria conseguir acertar o alvo, iria reduzir aquela nave a uma pilha de cinzas e salvar a vida de bilhões de pessoas. Se sentindo preparado como nunca esteve antes, o herói respira fundo e sai de trás do bloco com um rápido movimento:

— Sacanageiro, foge para o mais longe que puder dessa nave!

Os alienígenas olham surpresos para ele que estende os braços para frente, fecha os olhos e grita:

— CABUM!!!

Um clarão ilumina o céu e dele cai o raio mais forte que qualquer um presente já havia visto. O barulho é ensurdecedor e faz a arena tremer. Quando Thunderbolt abre os olhos para ver o que havia sobrado dos alienígenas, observa surpreso que tanto eles quanto a nave estão intactos. Sem entender o que deu errado, ele olha ao seu redor e observa que a poucos quilômetros a leste, a estação de gás encanado, que por sorte tinha encerrado o expediente por causa da batalha, havia se transformado numa enorme bola de fogo, da qual saia uma grande e constante nuvem de fumaça negra. As chamas se alastraram pela tubulação subterrânea de gás, causando explosões e incêndios em dezenas de pontos diferentes da cidade.

— Estão esperando o quê? — Diz Sacanageiro aos alienígenas. — Atirem logo nesse palhaço e vamos embora daqui.

Thunderbolt é atingido e cai paralisado no chão.

Anúncios